PUBLICIDADE


Embora o carnaval seja um período de muita diversão, algumas brincadeiras não combinam com essa época do ano, principalmente se envolver práticas arriscadas em piscinas, lagos, rios e mares.

O abuso de álcool pode comprometer o momento de distração e levar ao afogamento. Em diversas ocasiões, a alteração proporcionada por bebidas alcoólicas pode fazer com que pais e responsáveis não se atentem para uma criança que está se afogando. Em todos os casos o uso deve ser moderado ou mesmo eliminado, para garantir a segurança completa.

Pelo fato de o afogamento liderar a causa de mortes acidentais de crianças de 1 a 4 anos, há uma constante necessidade de alertar as pessoas acerca dos riscos, mesmo para crianças que já fazem natação ou sabem nadar.

A vigilância contínua de um adulto é importante não apenas para evitar afogamentos, como também acidentes em bordas e no fundo de piscinas, principalmente aqueles que comprometem coordenações motoras, com fraturas na coluna vertebral, pescoço ou lesão na medula espinhal.

Saltos inadequados, má avaliação da profundidade, empurrões e demais práticas perigosas podem acabar em tragédia, e vale ressaltar que nem sempre haverá um guarda-vidas à disposição dos banhistas, sendo de inteira responsabilidade dos adultos o cuidado para não se embriagar e também a fiscalização sobre as crianças.

Professoras especialistas da Baby Raia Natação Infantil orientam para a prevenção dos casos citados acima e dão dicas para o melhor aproveitamento do carnaval em regiões com diversão aquática.

--
Fonte: VMAX Assessoria de Imprensa e Marketing