PUBLICIDADE


O Agente de Polícia Gabriel Tortura Chaves vai continuar desempenhando as funções na corporação. A confirmação foi feita Polícia Civil (PC) através de nota nesta quarta-feira (6). De acordo com a corporação, o afastamento do suspeito de matar Helênio Rodrigues Cardoso Filho, de 30 anos, não tem amparo legal.

A nota da PC esclarece também que a sindicância disciplinar não é justificada. Isso porque o crime, que aconteceu no dia 31 de outubro, foi fora de serviço e em circunstância diversa da função exercida por Chaves. Em termos técnicos: “porque o fato ocorreu fora de serviço, em circunscrição diversa de sua lotação”. Além disso, o texto ressalta que Gabriel Chaves não possui antecedentes criminais ou disciplinares.

A corporação informou ainda que o agente responde a inquérito policial. A decisão de mantê-lo trabalhando, de acordo com a PC, está “consonância com a decisão judicial que concedeu ao policial liberdade provisória”. Confira nota na íntegra no final da matéria.

Nota completa 

"Em resposta ao questionamento formulado por alguns veículos de imprensa, a Delegacia-Geral da Polícia Civil do Estado de Goiás informa a permanência no exercício funcional do Agente de Polícia Gabriel Tortura Chaves, que é investigado por ter disparado o tiro que ensejou a morte de um torcedor no estacionamento do Estádio Serra Dourada, no último dia 31 de outubro de 2019.

O Policial responde a inquérito policial e a sindicância disciplinar, os quais não apresentam, no momento, amparo legal para o afastamento cautelar do servidor, inclusive porque o fato ocorreu fora de serviço, em circunscrição diversa de sua lotação e não há registro de antecedentes criminais ou disciplinares em seu desfavor. 

A medida guarda ainda consonância com a decisão judicial que concedeu ao policial liberdade provisória."
--
Fonte: Mais Goiás