Pedreiro é preso suspeito de estuprar enteada de 10 anos em Goiânia


Um pedreiro, de 36 anos, foi preso nesta quarta-feira (17) suspeito de abusar sexualmente da enteada, de 10 anos, no Setor Solar Bougainville, em Goiânia. De acordo com a Polícia Civil, a gravidade dos abusos era tamanha, que a vítima tinha que sentar em bolsas de gelos para amenizar a dor. O homem nega o crime.

Segundo a delegada, o suspeito obrigava a menina a praticar sexo com ele. Os abusos foram comprovados por exames periciais. Em depoimento à polícia, a criança mencionou que o padrasto era extremamente agressivo durante as práticas e que ela sentia muita dor. “Ela relatou que algumas vezes chegava a colocar uma bolsa de gelo nas partes genitais para tentar amenizar a dor que sentia na região após os abusos”, afirmou a titular da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) Ana Elisa Gomes.

Ainda segundo a delegada, o caso só chegou ao conhecimento da Polícia Civil após uma vizinha da família descobrir os estupros praticados contra a criança e contar para uma tia materna da menina. “Um dia, durante a violência sexual, ela gritou e a vizinha ouviu. A vizinha observou quando o homem saiu da casa, entrou e perguntou para a menina o que estava acontecendo. A vizinha ficou transtornada ao descobrir. Foi atrás de uma tia materna da menina, que contou tudo para a mãe da criança”, disse.

A delegada conta que a última violência sexual contra a criança aconteceu um dia antes da denúncia. Os abusos foram comprovados por meio do exame de corpo de delito, em que foram contatadas lesões no ânus da criança. O suspeito se relacionava com a mãe da menina há quatro anos, mas só há dois moravam sob o mesmo teto.  Ana Elisa acredita que a mãe da menina não tinha conhecimento dos abusos sexuais, por trabalhar o dia todo como operadora de caixa. 

O homem chegou a fugir para o Maranhão e retornou a Goiânia no último domingo (14). Segundo a delegada, ele nega os crimes. Mas que não há dúvidas diante do relato da vítima e as confirmações dos exames. “A criança foi muito espontânea em seu depoimento. Ela destacou coisas muito fortes e com detalhes”, afirma.

O suspeito foi autuado por estupro de vulnerável com agravante por se tratar do padrasto. Se condenado, pode pegar até 23 anos de prisão. Ele está detido no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia e passará por audiência de custódia nesta quinta-feira (18).