PUBLICIDADE


Quem viveu entre os anos 1900 só chamava Bela Vista de Goiás por um nome totalmente diferente: Sussuapara. Mas, pera. O que tem a ver uma coisa com a outra? Pra responder essa pergunta temos que  voltar no tempo...

Bela Vista de Goiás surgiu muito provavelmente na primeira metade do século XIX (19), assim como o texto histórico do Governo Municipal. O povoado começou à margem esquerda do córrego Sussuapara, próximo aos centros de mineração: Bonfim e Santa Cruz.

Naquela época era comum tropeiros e carreiros transportarem mercadorias de Minas Gerais para Goiás. Foi bem ali que eles fizeram um ponto de pouso construindo o “rancho dos tropeiros”. Como a fé católica era grande naquele tempo, o povoado ganhou força.

A religiosidade, segundo a história "impulsionou José Bernardo Pereira, sua esposa e José Inocêncio Teles a doarem “um corte de terras” na barra do Sussuapara a Nossa Senhora da Piedade. Eles construíram uma casa de oração dedicada à santa, onde Dona Josefa Teles rezava com a população local os terços dedicados à Santa, todo domingo, mantendo vivo o catolicismo no povoado.


Segundo a história, quase 20 anos depois, eles dedicaram a primeira igreja do arraial à santa da terra e, aliados à fatores econômicos, o arraial foi se desenvolvendo com o nome de Sussuapara, mas que também chamava 'Patrimônio de Araras'. O primeiro nome foi o que ganhou mais força entre os locais.

O nome ficou mudando várias vezes de Bela Vista de Goiás (distrito criado em 1880 no município de Bonfim), foi elevado a município em 1896, depois voltou pra Sussuapara (1943), depois Bela Vista de novo (1953) que está até hoje. Essa mudança toda você pode conferir clicando aqui.

Atualmente, pra lembrar do nome que ainda está na boca de muita gente, o município de Bela Vista possui um lago em homenagem ao antigo nome: o Lago Sussuapara que fica bem na entrada da cidade e a Rua Sussuapara que fica no centro da cidade.

--
Fonte: Com infrmações da prefeitura de Bela Vista de Goiás
Crédito da foto: Biblioteca IBGE

Poste um comentário