PUBLICIDADE


Diante do enfrentamento mundial ao coronavírus 2019 (Covid-19), desde o último dia 25 de março, o Hospital de Doenças Tropicais (HDT) adotou medidas para, segundo o hospital, melhor cumprir seu papel no sistema de saúde pública do Estado de Goiás.

Confira a lista divulgada pelo hospital:

1. Suspensão de consultas eletivas por tempo indeterminado. Consultas das especialidades de ginecologia, cirurgia torácica, psiquiatria, endocrinologia, pneumologia e gastroenterologia serão suspensas, mantendo somente os atendimentos de dermatologia estritamente essenciais e consultas de infectologia para casos de leishmaniose e tuberculose multirresistente. Já os atendimentos acompanhados anteriormente que não puderem ser suspensos e alguns casos específicos, serão avaliados pela equipe do hospital. O aviso sobre a suspensão das consultas para os pacientes está sendo realizado via telefone.

2. As consultas ambulatoriais, que ainda continuarem, serão realizadas em cinco consultórios montados na área administrativa da unidade. Os pacientes serão atendidos pela recepção principal, onde poderão agendar e remarcar consultas. O horário de atendimento ambulatorial permanecerá das 7 às 19h.

3. A área atual destinada ao ambulatório foi direcionada, desde o dia 25, para o atendimento de pronto-socorro para síndromes gripais.

4. Instalação de uma tenda na parte externa no hospital para realização de pré-triagem de pacientes, evitando a aglomeração de pessoas no pronto-socorro da unidade, prestando as devidas orientações à população que procura por atendimento médico na emergência do hospital.

5. Em relação à farmácia ambulatorial, o atendimento segue das 7 às 18h30, de segunda a quinta-feira, e das 7 às 17h30 nas sextas-feiras. Os pacientes em tratamento de HIV/aids tiveram suas receitas validadas automaticamente para mais 90 dias, exceto os em uso irregular, atraso ou abandono. Aqueles em tratamento de tuberculose e hepatite C continuam sendo atendidos sem alterações. Para aumentar a segurança de todos, foi instalada, na entrada da farmácia da unidade, uma tenda que servirá de apoio para evitar aglomeração de pacientes dentro da recepção.

De acordo com o HDT, as ações tem como objetivo minimizar possíveis riscos de contágio da doença. "O corpo clínico e médico do hospital estão devidamente capacitados e com todos os equipamentos de segurança individual para realizar com segurança os atendimentos para esse novo agravo de saúde", afirma.

--
Fonte: Secretaria da Saúde- Instituto Sócrates Guanaes