Santa Cruz de Goiás completa 290 anos


Santa Cruz de Goiás completa 290 anos de fundação nesta terça-feira, 27 de agosto. E para comemorar a data junto com os moradores do município uma programação extensa será realizada. Uma delas é  a Ação Cidadã, das 8 às 17 horas, na Praça Central.

A população contará com atendimento de assessoria jurídica, cadastro para os programas sociais como o Bolsa Família, encaminhamento para o mercado de trabalho por meio do Sine Municipal, emissão do cartão e passaporte do idoso e da pessoa com deficiência, emissão de identidade, CPF e carteira de trabalho, atendimento no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), atendimento odontológico, oftalmológico e urológico, corte, escova, hidratação de cabelo, fotos 3×4, , atividades recreativas para as crianças e outros serviços.

Para o prefeito Dr. Mateus Félix o aniversário de 290 anos marca muitas conquistas para a cidade. "Santa Cruz pela terceira vez se torna a capital do Estado. Isso em reconhecimento a cultura e a história da cidade, que há muitos anos foi a metrópole. Essa é a primeira vez que o município se tornar a capital por Lei Estadual. As últimas duas vezes foram por decreto. Então, isso é importante, pois é uma conquista que a partir de agora vai estar garantida para Santa Cruz. E isso ajudará a  impulsionar o comércio local, o turismo, e a cultura", disse.   


Programação:

9h - III Solenidade de transferência da capital do estado para o município de Santa Cruz de Goiás, com a presença do governador Ronaldo, do presidente da Assembléia Legislativa de Goiás, Lissauer Vieira e do presidente do Tribunal de Justiça de Goiás, o desembargador Walter Carlos Lemes, que instaurará assim os três poderes em Santa Cruz de Goiás.

10h30 - Inauguração de obras - reforma do ginásio de esportes Leonardo Contart, ampliação e reforma do hospital municipal Maria Abadia Lobo, substituição da iluminação pública por LED, entrega de uma retroescavadeira 0 KM.

12h - Delicioso almoço com arroz carreteiro e deliciosos acompanhamentos.

19h30 - Partida inaugural de futsal no ginásio de esportes: Goiás E C Futsal x Santa Cruz E C Futsal

 20h30 - Show ao vivo com o cantor e compositor Leandro Romes.

História:

À margem da GO-020, (Rodovia JK) a 128 km de Goiânia, está Santa Cruz. Tão próxima e tão distante da Capital! Foi considerada uma das primeiras povoações, no início do desenvolvimento de Goiás a formação do arraial originou-se pela mineração. Aventureiros, negros escravos e garimpeiros foram os primeiros habitantes.

Em 27 de agosto de 1729 o bandeirante Manoel Dias da Silva, alojou-se em um sitio, em agradecimento a Deus por encontrar muito ouro, ergueu uma grande cruz, onde nela escreveu: “Viva el Rei de Portugal”, e afirmou que aquele seria o futuro arraial de Santa Cruz. (Ninguém sabe ao certo onde foi erguida a cruz, eu sei o que ouço desde criança, que foi onde hoje é a Praça do Baru).

As primeiras habitações foram construídas junto à cruz erguida e também à capela de Nossa Senhora da Conceição, padroeira da cidade. Seguindo a exigência da Igreja Católica, de que as primeiras habitações fossem construídas ao redor de uma capela e fosse doado um terreno para a construção da mesma. Não há registros, mas conta-se que foi sede da primeira capital da Província. Passou à Paróquia em 21 de setembro de 1759 e à Julgado em 1809. 

Em 1º de abril de 1833, o arraial elevou-se à categoria de vila, sendo instalado somente em oito de dezembro do mesmo ano (muitos confundem a data da fundação do arraial com a data da instalação da condição de vila). Em 29 de abril de 1884, passou à condição de cidade. A população é estimada em 3.264 habitantes em uma área de 1.109 km². Possui clima tropical e se limita com os municípios de Pires do Rio, Palmelo, Cristianópolis, Caldas Novas e Piracanjuba. Suas terras são banhadas pelos córregos:Brumadinho, Caiapó, Pirapitinga, Fundo, Mato Virgem, São Benedito, Córrego da Chuva, pelo córrego Água Suja, Dantas, Manoel Duarte, Moquém, Buriti, Pedra de Amolar, pelo Rio do Peixe, Ribeirão Brumado e Sapé.

O Córrego Água Suja e o Morro do Clemente foram focos de muito ouro. A busca por riquezas fez aglomerar muita gente no local. Muitos morreram no garimpo, contaminados pela febre tifoide, com isto, a mineração esfriou e a economia desmoronou. Até hoje, segundo moradores, o morro não foi totalmente explorado, em virtude da dificuldade do manuseio em função das características rochosas do terreno. Há ainda muita prata, ouro, chumbo, calcário, argila, pedra para brita, areia, minérios e minerais nas redondezas.

Quando criado o Julgado, Santa Cruz tinha uma área imensa. Por um determinado tempo, dominou todo Sudoeste e parte do Sul de Goiás que se dividia em quatro Comarcas: Santa Cruz, Cavalcanti, Goiás e Palmas. Com o passar do tempo os povoados que pertenciam à Santa Cruz, se desenvolveram a tal ponto tornando-se independentes: Campo Formoso (Orizona), Vila Bela de Morrinhos, Santa Rita do Paranaíba (Itumbiara), Caldas Novas, Pouso Alto (Piracanjuba), Catalão, Bonfim (Silvânia). 

Pelo desmembramento e principalmente por questões políticas, sua influência caiu.  O município abrigava: engenhos de açúcar, tecelagens, oleiros, fabricantes de telhas, alfaiates, carpinteiros, sapateiros, ourives, lojas, cabarés, cinema... Era tão desenvolvida a cidade, que, segundo o Sr. Warendy, seu pai João Machado Paraguassú, em 1928 mudou-se de Caldas Novas para Santa Cruz em busca de progresso.

Em 27 de agosto de 1729 o bandeirante Manoel Dias da Silva alojou-se em um sitio e em agradecimento a Deus por encontrar muito ouro, ergueu uma grande cruz, na qual escreveu: “Viva el Rei de Portugal”, e afirmou que aquele seria o futuro arraial de Santa Cruz. 

As primeiras habitações foram construídas junto à cruz erguida e também à capela de Nossa Senhora da Conceição, padroeira da cidade.

--
Fonte: Com informações de santacruzdegoias.net / Foto: Deivid Ribeiro.